Informação ao doente

Informação ao Doente


Os doentes transplantados de órgãos sólidos ou de tecidos pertencem a um grupo com risco aumentado para a infeção por SARS-CoV-2 devido à terapêutica imunossupressora, acrescida de outros fatores de risco descritos para a população geral.

Nenhum dos ensaios clínicos das vacinas para a COVID-19 incluiu doentes imunodeprimidos ou transplantados.

No entanto, considerando o aumento das complicações e da mortalidade associada à infeção COVID-19, e avaliando os dados publicados com outras vacinas, a Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT) considera que o risco, a existir, será francamente menor do que a não vacinação.

Não é ainda conhecida qual a dose e número de administrações que devem ser efetuadas para que a imunidade seja atingida nos doentes transplantados.

A SPT considera que a vacinação nos mesmos moldes da proposta para a população geral, poderá possibilitar algum grau de proteção que a sua ausência seguramente não oferece.

Assim, a SPT aconselha a que os doentes com mais de seis meses de transplante devem ser vacinados e responder positivamente quando forem chamados para a sua administração.

Susana Sampaio

Presidente da Sociedade Portuguesa de Transplantação

Contacto

13 + 1 =

Sede

Rua Lourenço Almeida Azevedo, 18 R/C, 3000-250 | Coimbra, Portugal

Secretariado

Trav. Álvaro Castelões, 79, Sala 9, 4450-404 | Matosinhos, Portugal

+351 933 205 201

secretariado@spednm.com